Avanço de tecnologias para exibição de publicidade

Avanço de tecnologias para exibição de publicidade

A tecnologia LED é pressionada pela concorrência operadora de publicidade e continua a se desenvolver, mesmo já garantindo a alta densidade de pixels, a imagem uniforme e de alto contraste, com baixo consumo de energia.

A vida moderna nos ensinou a devorar informações em quantidades cada vez maiores. Muitas lojas, supermercados, ônibus, táxis, restaurantes, elevadores, estações de transporte público, enfim, já instalaram redes internas com display digital. E a exibição de publicidade ao ar livre modificou o cenário urbano com a inclusão dos Painéis de LED.

O desafio inicial das telas de LED indoor veio dos sistemas de projeção. Mesmo com as poderosas lâmpadas de projeção, a imagem projetada ficava esmaecida. As telas com projeção traseira apresentaram qualidade de imagem muito boa. Mas o preço exorbitante de superfícies de tela, a necessidade de reservar grandes espaços atrás da projeção e a curta vida de lâmpadas potentes, as limitou ao mercado de salas de conferências.

Telas de TV não tinham como competir com seus pequenos tamanhos. Telas de plasma e LCD ganharam espaço, a considerar os monitores LCD com backlight Led. Mas era preciso ampliar o tamanho da imagem e as empresas começaram a oferecer video wall-soluções. Mas com a falta de uma tecnologia sem emendas, a imagem se partia em pedaços retangulares, não agradando nem ao público, nem aos empresários e desenvolvedores.

Os tamanhos dos displays LCD gradualmente cresceram, já existindo modelos com 108″. Maioria destas exibições eram para ambientes internos. A introdução de modelos com melhor contraste e brilho em telas de TV, posicionados por trás das vitrines, se tornaram suficientes para reter atenção de público.

A tecnologia Christie MicroTiles agressivamente atacou os mercados de publicidade indoor. Solução interessante para quem não é contra imagem segmentada (p.ex., imagem estilo Picasso, de um rosto quebrado em bits). Vantagem indiscutível: possibilidade de fazer a cobertura de uma superfície de qualquer forma, às vezes irregular e incomum, com módulos Christie. No entanto, este serviço técnico ainda é exorbitante.

A Prysm Inc., na exposição InfoComm em LasVegas, iniciou uma campanha de auto-publicidade promovendo sua tecnologia inovadora LPD (Laser Phosphor Display) em forma de tela TD1. Fundamenta-se em projeção de laser (diodos de laser de estado sólido LD, similares aos usados em dispositivos de armazenamento óptico de alta densidade) e uma tela de fósforo.

Os diodos emitem laser para a tela de fósforo (vidro/polímero), que apresentam alta precisão e podem variar em intensidade.

Os pixels de fósforo (RGB) não desaparecem e mantêm alto brilho, embora as 70.000 horas tenham nível aceitável de degradação de 30% (até 1000 nits, suficientes para muitas aplicações indoor e até semi-outdoor, sob condições de dia esmaecido). O visor LPD tem ângulo de visão 180º, sistema de controle com taxa de atualização de 240 Hz e baixo consumo de energia. Módulos com 60 cm, o visor LPD parece perfeito como uma tela de TV. Soa tentador, mas esta tecnologia resistirá ao teste do tempo? Seu preço é elevado em comparação aos displays LCD de grandes dimensões.

O mercado de telas de TV e displays é muito atraente. Por isso, surgem notícias sobre inovações: FET (Tecnologia de Emissão de campo) baseada em desenvolvimentos Optronicos, OLED (Diodos emissores de luz orgânica), SED (Surface-Display condução Electron-emitter) longa expectativa pela tecnologia Canon (R &D foi suspensa devido ao elevado custo de produção).

O mercado de Mídia Out Of Home está em uma fantástica transição, com a tecnologia de ponta expandindo as capacidades e desafiando a originalidade e criatividade na construção do conteúdo de exibição, provocando surgimento de novas tecnologias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *